PCVB

Version in English I

Fazenda Samambaia

Voltar

Visitação: Terça a domingo de, 10h às 18h. Tel: (24) 2242-3478.

Day use com almoço, piscina com agendamento

Hospedagem: reservas@isca.org.br

Imóvel colonial do séc. XVII situado em área de rica beleza natural, com fontes de água fresca e límpida, trilhas ecológicas, hostel e restaurante. Possui a Capela de Santo Antônio, em estilo “rococó” do século XVIII, construída por Valentim da Fonseca, antes da fundação da cidade. Os atuais jardins da fazenda foram idealizados por Burle Marx.


Os primeiros registros da história da Fazenda da Samambaia (antiga Belmonte) datam do século XVIII, mais de um século antes da fundação da cidade de Petrópolis. Tombada pelo Patrimônio Histórico Artístico e Cultural, a Fazenda fazia parte  da variante do Caminho Novo concedida por  Bernardo Soares  Proença.



Muitos anos se passaram entre heranças e divisões, até que em 1780, Maria Brígida Goulão legou a Fazenda a seu filho mais velho, o Cônego Luis Gonçalves Dias Correia.  O Cônego, nas primeiras décadas de 1800, recebeu várias comendas e foi nomeado por Dom Pedro II Cônego honorário da Imperial Capela em 1843.



No início do século XIX, a Fazenda foi visitada e descrita por muitos naturalistas como Cunha Mattos, Langsdorff, entre outros. Em 1940, a Fazenda foi comprada pela família Leite Garcia e logo foi restaurada (1942-1945) pelo arquiteto Wladimir Alves de Souza, que resgatou o precioso ambiente dos velhos tempos da Fazenda da Samambaia.

A Fazenda Hoje

Situada em área de rica beleza natural, com fontes de água fresca e límpida,  atualmente a Fazenda Samambaia é a sede do Instituto Samambaia de Ciência Ambiental – ISCA  e conta com algumas atividades como trilhas ecológicas, hotel, Capela Santo Antônio (primeira capela oficial de Petrópolis, reconhecida pelo Vaticano e totalmente preservada), Restaurante Taverna do Cônego,  Borboletário Cores da Samambaia, exibição de animais, uma linda horta orgânica e jardim planejado em 1948 pelo paisagista Burle Marx, com espécies nativas.

Para visitação, hospedagem e outras informações, consultar reservas@isca.org.br.